Pular para o conteúdo principal

Decidi Engravidar. E agora?

Pré-Concepção

Pensando na concepção, o Prof. Sérgio Peixoto – Ginecologista e Obstetra das Faculdades de Medicina da USP e do ABC e autor do livro “Pré-Natal”- criou o conceito de gravidez de ‘12 Meses’, com base em duas ideias:

- A gravidez é um período de sobrecarga física e emocional, em decorrência das adaptações do organismo, impostas pela gravidez; e equivale a um esforço físico de intensidade média, igual a um trabalho braçal.

- Ao optar pela gestação, o casal passa a viver o “clima gravídico”, esperando pelo bebê que virá. Anseiam pela falha menstrual e pelos primeiros sintomas que irão definir a gravidez. O casal já está grávido!

Diante disso, Prof. Peixoto lançou o conceito de “Gestação Plena”, no qual identifica o período central de 9 meses da gestação que termina com o parto e que é sucedido pela lactação. A ideia é acrescentar a esses 2 períodos, que são clássicos, um período pré-gravídico, a pré-gestação, período esse que coloca paciente e médico num diálogo franco, com o objetivo de enriquecer esse “tempo de espera” e oferecer à futura mamãe a oportunidade de se preparar para a gestação. São essas ideias que iremos mostrar nessa apresentação.

Importante: uma gravidez já estabelecida traz consigo índices de insucessos, hoje admitidos como próprios da gestação, inevitáveis! Ao lado de perdas por aborto, parto prematuro, malformação e óbito, muitas outras situações são esperadas, o que coloca a gravidez como “estado de risco”. Isto colabora com ansiedade e medo do casal, tornando a gravidez um período nebuloso e de sucesso incerto.

O preparo para a gestação irá permitir avaliar condições físicas e emocionais, favorecendo o momento da gestação e um acompanhamento pré-natal com menores riscos.

Tempo de preparo

No momento do planejamento familiar em que o casal “optou pela gravidez”, abandonando todos os tipos de cuidados contraceptivos, iniciou a gestação! Começou a viagem, e os preparativos e a ansiedade já estão presentes. O médico deve participar da festa e juntos, mãe, pai e médico, iniciarem um Programa de Análise para esperar por uma gravidez que virá.

Esse tempo de análise irá variar de caso a caso, englobando pacientes sem qualquer tipo de enfermidade e outras que podem ser portadoras de algum transtorno físico ou mesmo emocional (medo, expectativa), que nesse período poderão ser controlados, permitindo a chegada da gravidez em condições ideais.

Esse tempo, embora variado, tem a duração média de 3 a 4 meses, em decorrência da avaliação clínica, da interpretação dos exames laboratoriais e da orientação a ser oferecida à paciente. Esses 3 a 4 meses, em média, de espera e preparo, já pertencem à gravidez, que por isso dura 12 meses. A gestação plena, assim considerada, tem, portanto, 3 períodos intimamente relacionados:
Pré-Gestação - 12 semanas ou 3 meses
Gestação - 40 semanas ou 9 meses
Lactação - 16 semanas ou 4 meses

Aconselhamento Pré-Concepcional (APC)

Ao lado do fator emocional, que será abordado de maneira fundamentada pelo casal e pelo médico, o APC envolve 3 etapas, conforme propõe o Prof. Peixoto:

1ª etapa: reconhecimento mútuo, casal/médico: período de abertura, com esclarecimentos e debates que procuram particularizar cada caso mediante cuidadosa análise histórica e exame físico, de modo a estabelecer um programa de avaliação;

2ª etapa: análise dos resultados de exames laboratoriais, a fim de propor condutas e tratamentos que se fizerem necessários até o momento da “alta pré-concepcional” que irá significar “em boas condições para engravidar!”;

3ª etapa: acompanhamento orientado até o momento da gestação. Embora em condições favoráveis para a gestação, o casal escolheu o momento ideal para mais adiante.

Quanto tempo? O que fazer?

É mais um detalhe na APC: casal e médico deverão abrir outro item de análise, agora direcionado para “contracepção de espera”, mediante recursos que não interfiram com a funcionalidade do ciclo menstrual e que mantenham a harmonia do casal.

O Papel do Médico

Ouvir, examinar, investigar! Envolve o rastreamento e diagnóstico de eventuais enfermidades, e as orientações que objetivam cura ou compensação. Alguns parâmetros são básicos e essenciais, dentre os quais, Papanicolau, rastreamento da diabete e do perfil infeccioso para sífilis, rubéola, toxoplasmose, citomegalovirose, hepatites e H.I.V. Estes são os principais, mas poderão variar de acordo com a particularidade de cada paciente.

Grupo sanguíneo e Rh serão pesquisados, ao lado de avaliação geral de condição de saúde, mediante hemograma, exames de urina e fezes, e de outros eventuais, pontuais a cada paciente, de forma a definir “condições normais”. A depender da idade materna, alguns exames devem ser envolvidos como, por exemplo, mamografia.

A mulher moderna planeja a gravidez em paralelo à sua formação educacional e cultural, o que condiciona o momento da gestação à idades mais avançadas. Alguns procedimentos de análise individuais serão discutidos durante o APC desde a fase de investigação às de conduta e seguimento.

O Papel do Casal

Além de discutir detalhadamente com o médico suas dúvidas, temores e expectativas, o casal deve dar atenção particular aos hábitos de vida dentre os quais, alimentação, atividade física, consumo de álcool e fumo e, eventualmente, drogas lícitas e ilícitas.

Deve ser incluído no programa um atendimento especial ao peso pré-gravídico e ao estado imunitário; neste particular se inclui o calendário de vacinação a ser discutido com o médico no tocante a época e cuidados específicos.

Papel da relação entre Médico e Casal

Objetiva estabelecer uma cumplicidade tanto na avaliação como na orientação oferecida; o objetivo da pré-concepção é se preparar para a prole segundo preceitos do APC. Neste, além do que já foi dito, é possível dar atenção especial para a prevenção de malformação neurológica fetal.

É aqui que participa o ácido fólico, que deve ser iniciado na pré-concepção e mantido por todo o período gravídico, incluindo a lactação. Sabidamente, o ácido fólico deve ser administrado em conjunto com vitaminas A, C, D, E e Complexo B, ao lado de dieta rica em proteínas de forma a assegurar oferta de matéria prima essencial à síntese do DNA, elemento fundamental para a divisão celular.

Lembrando que o feto em desenvolvimento exibe divisão celular contínua e constante e, portanto, necessita continuamente dessa oferta de ácido fólico que deve ser iniciada na pré-concepção e mantida até a lactação. Na mesma linha de idéias, são incluídos eventuais medicamentos utilizados em decorrência de enfermidade crônica, cuja continuidade ou não deverá ser discutida com o médico durante a APC.

Conteúdo Bayer HealthCare Pharmaceuticals / Professor Sérgio Peixoto – Professor titular do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia da Faculdade de Medicina do ABC. Professor Associado Livre-docente de Obstetrícia e Ginecologia da Faculdade de Medicina da USP.
Fonte: http://www.gineco.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

15 causas que impedem um casal de engravidar

O sonho de ter um filho não é fácil de realizar para todo mundo. De acordo a Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva, dois em cada dez casais têm alguma dificuldade em reproduzir, por motivos que vão dos físicos, como o avanço da idade, aos psicológicos, a exemplo da ansiedade. "Podemos dizer que 40% dos fatores causadores da infertilidade são provenientes do homem, 40% da mulher e 20% de ambos", diz o ginecologista João Dias Jr., coordenador clínico do Centro de Reprodução Humana do Hospital Sírio-Libanês, de São Paulo. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a infertilidade é caracterizada pela ausência de concepção após doze meses de relações sexuais sem a utilização de contraceptivos. "Se depois desse período a gravidez não acontecer, é preciso procurar ajuda médica", diz o urologista Marcelo Vieira, titular da Sociedade Brasileira de Urologia. Infertilidade não deve ser confundida com esterilidade, uma condição na qual o corpo não é mais capaz de pr…

Cólicas: aprenda a identificar

Que mulher nunca passou por uma crise de cólica? A intensidade pode variar bastante, e, dependendo do caso, nos incapacita de fazer qualquer coisa. Mas, apesar de comuns na rotina feminina, elas devem ser observadas com atenção, pois podem ser sintoma de que algo não vai bem.
Ai, que cólica!
“Cólica menstrual ou dismenorreia é a dor pélvica (em baixo ventre) provocada pelas contrações uterinas, em decorrência da liberação de prostaglandinas. Ela pode ocorrer antes, durante e após o período menstrual”, explica o Dr. Rodrigo Pereira de Freitas, ginecologista do Hospital Samaritano (São Paulo). “A cólica menstrual caracteriza-se por ciclos de dor intensa, com aumento gradual da intensidade até um pico e depois melhora lentamente. A severidade é variável, e pode irradiar para a região lombar e coxas”, explica o Dr. Francisco Furtado Filho*, ginecologista do Hospital VITA Batel (Curitiba). 
Algumas mudanças simples nos hábitos de vida, como praticar atividade física, alongamentos, aplicaç…

10 coisas que você não sabe sobre HPV

Hoje sabemos muito sobre diferentes assuntos relacionados à saúde, mas ainda existem alguns temas que geram dúvidas nos consultórios ginecológicos, como o HPV. "Ao longo da vida, cerca de 70% das mulheres serão expostas ao Papiloma Vírus Humano (HPV), mas a maioria eliminará o vírus espontaneamente", explica ginecologista de São Paulo. A seguir, confira dez coisas que você não sabe sobre o HPV:
1. Camisinha masculina não protege completamente contra o HPV "O preservativo masculino protege contra outras doenças sexualmente transmissíveis e evita a gravidez, mas não é totalmente eficaz na prevenção do contágio do HPV, mesmo quando não há penetração. A questão é que a camisinha não isola as partes genitais externas, passíveis de infecção pelo vírus. Sendo assim, se o parceiro for portador do vírus e este se encontrar nestas regiões, poderá haver transmissão, apesar do uso do preservativo", explica a ginecologista.
2. Camisinha feminina é mais eficaz para evitar o contá…