Pular para o conteúdo principal

Oito benefícios associados à vitamina D

1. Gera bebês mais saudáveis
Ter baixos níveis de vitamina D durante a gravidez significa transmitir menor quantidade do nutriente ao futuro bebê — o que pode ocasionar uma série de problemas. Um estudo da Universidade de Pittsburgh, nos Estados Unidos, mostrou que a falta de vitamina D faz com que as mulheres deem à luz bebês com baixo peso, já que sem o nutriente a absorção de cálcio pelo organismo é prejudicada, e o crescimento ósseo, reduzido. Outra pesquisa, britânica, provou que filhos de mães com baixos níveis da vitamina têm chances 5% maiores de desenvolver esclerose múltipla na idade adulta. 

2. Previne fraturas em idosos
A vitamina D é especialmente benéfica para idosos. Um estudo suíço mostrou que 20 microgramas diários do nutriente ajudam a evitar fraturas nas pessoas mais velhas, já que a vitamina auxilia na absorção de cálcio pelo organismo, fortalecendo os ossos. De acordo com outro estudo, realizado na Dinamarca, a ingestão de suplementos de cálcio e de vitamina D faz com que os idosos tenham maior expectativa de vida, reduzindo em 9% as chances de mortalidade em um período de três anos.

3. Combate o diabetes
A vitamina D pode ser aliada na luta contra o diabetes tipo 2. Em uma entrevista no livro ‘The Healing Power of Sunlight & Vitamin D’ (O poder de cura da luz do sol e da vitamina D, em tradução livre), o médico Michael Holick afirma que a falta da substância pode agravar os efeitos do diabetes tipo 2 no organismo. Isso porque a vitamina D regula a secreção de insulina pelo pâncreas e pode aumentar a sensibilidade ao hormônio. Já uma pesquisa alemã afirma que as propriedades anti-inflamatórias da vitamina protegem o organismo contra a doença.

4. Evita o câncer
Segundo Michael Holick no livro ‘The Healing Power of Sunlight & Vitamin D’, a vitamina D possui a capacidade de regular o crescimento celular. Por isso, pessoas que vivem em países onde a incidência dos raios solares é menor são mais propensas à deficiência de vitamina D e ao desenvolvimento de alguns tipos de câncer.

5. Fortalece o sistema imunológico
A vitamina D é capaz de estimular as defesas naturais do corpo, diminuindo o risco de infecções. Reforçando essa ideia, um estudo apresentado nos Estados Unidos provou que a razão pela qual os obesos têm mais alergias do que pessoas de peso normal está justamente na deficiência de vitamina D — a relação entre excesso de peso e a diminuição do nutriente no organismo já foi cientificamente comprovada.

6. Faz bem para os pulmões
Diversos estudos científicos já comprovaram a contribuição da vitamina D para a saúde pulmonar. Segundo um trabalho publicado no periódico 'American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine', em caso de infecção pulmonar, o nutriente é capaz de acelerar os efeitos do tratamento medicamentoso. Outro estudo, realizado pela Universidade Harvard, nos Estados Unidos, mostrou que a vitamina D tem um efeito protetor contra os efeitos do tabagismo na função pulmonar. De acordo com os pesquisadores, a falta do nutriente prejudica ainda mais a atividade dos pulmões dos fumantes.

7. Reduz os efeitos do Alzheimer
Segundo uma revisão de estudos realizada no Canadá, os resultados de testes cognitivos em pessoas com Alzheimer pioram quando a concentração de vitamina D está baixa. Os cientistas não sabem ainda, contudo, que condição dá origem à outra — se é a falta de vitamina D que ocasiona o Alzheimer, ou o contrário. 

8. Afasta doenças cardiovasculares
Cientistas da Universidade da Dinamarca acompanharam mais de 10 000 pessoas por 29 anos e constataram: o risco de infarto e morte aumenta quando há deficiência de vitamina D no organismo. O nutriente participa do controle das contrações do músculo cardíaco. Além disso, quando seus níveis estão baixos, pode haver acúmulo de cálcio nas paredes das artérias, favorecendo a formação de placas que aumentam a probabilidade de infarto e derrame.
Fonte: veja.abril.com.br/listas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

15 causas que impedem um casal de engravidar

O sonho de ter um filho não é fácil de realizar para todo mundo. De acordo a Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva, dois em cada dez casais têm alguma dificuldade em reproduzir, por motivos que vão dos físicos, como o avanço da idade, aos psicológicos, a exemplo da ansiedade. "Podemos dizer que 40% dos fatores causadores da infertilidade são provenientes do homem, 40% da mulher e 20% de ambos", diz o ginecologista João Dias Jr., coordenador clínico do Centro de Reprodução Humana do Hospital Sírio-Libanês, de São Paulo. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a infertilidade é caracterizada pela ausência de concepção após doze meses de relações sexuais sem a utilização de contraceptivos. "Se depois desse período a gravidez não acontecer, é preciso procurar ajuda médica", diz o urologista Marcelo Vieira, titular da Sociedade Brasileira de Urologia. Infertilidade não deve ser confundida com esterilidade, uma condição na qual o corpo não é mais capaz de pr…

10 coisas que você não sabe sobre HPV

Hoje sabemos muito sobre diferentes assuntos relacionados à saúde, mas ainda existem alguns temas que geram dúvidas nos consultórios ginecológicos, como o HPV. "Ao longo da vida, cerca de 70% das mulheres serão expostas ao Papiloma Vírus Humano (HPV), mas a maioria eliminará o vírus espontaneamente", explica ginecologista de São Paulo. A seguir, confira dez coisas que você não sabe sobre o HPV:
1. Camisinha masculina não protege completamente contra o HPV "O preservativo masculino protege contra outras doenças sexualmente transmissíveis e evita a gravidez, mas não é totalmente eficaz na prevenção do contágio do HPV, mesmo quando não há penetração. A questão é que a camisinha não isola as partes genitais externas, passíveis de infecção pelo vírus. Sendo assim, se o parceiro for portador do vírus e este se encontrar nestas regiões, poderá haver transmissão, apesar do uso do preservativo", explica a ginecologista.
2. Camisinha feminina é mais eficaz para evitar o contá…

Decidi Engravidar. E agora?

Pré-Concepção
Pensando na concepção, o Prof. Sérgio Peixoto – Ginecologista e Obstetra das Faculdades de Medicina da USP e do ABC e autor do livro “Pré-Natal”- criou o conceito de gravidez de ‘12 Meses’, com base em duas ideias:
- A gravidez é um período de sobrecarga física e emocional, em decorrência das adaptações do organismo, impostas pela gravidez; e equivale a um esforço físico de intensidade média, igual a um trabalho braçal.
- Ao optar pela gestação, o casal passa a viver o “clima gravídico”, esperando pelo bebê que virá. Anseiam pela falha menstrual e pelos primeiros sintomas que irão definir a gravidez. O casal já está grávido!
Diante disso, Prof. Peixoto lançou o conceito de “Gestação Plena”, no qual identifica o período central de 9 meses da gestação que termina com o parto e que é sucedido pela lactação. A ideia é acrescentar a esses 2 períodos, que são clássicos, um período pré-gravídico, a pré-gestação, período esse que coloca paciente e médico num diálogo franco, com …